Biólogos acham anfíbio raro em Rondônia

Informações sobre o álbums
  • editoria:
  • galeria:
  • link: http://fotos.noticias.bol.uol.com.br:80/entretenimento/2012/08/01/biologos-acham-anfibio-raro-em-rondonia.htm
  • totalImagens: 5
  • fotoInicial: 5
  • imagePath:
  • baixaResolucao: 0
  • ordem: ASC
  • legendaPos:
  • timestamp: 20120801123644
    • Ciência [45097]; Meio ambiente [11359];
Fotos
Seis exemplares da espécie "Atretochoana eiselti", anfíbio raro de corpo alongado, cilíndrico e de pele lisa que pertence à família das chamadas cobras-cegas, foram encontrados perto de obras de uma hidrelétrica no Rio Madeira, em Porto Velho, capital de Rondônia. O maior deles tem um metro de comprimento. Três dos anfíbios foram devolvidos saudáveis para o rio Madeira, dois foram preservados para estudos científicos e um acabou morrendo Juliano Tupan/Divulgação Mais
"Resgatar um animal tão raro como este foi uma sensação fora do comum. Procurei referências bibliográficas, entrei em contato com outros pesquisadores e vimos que se tratava de 'Atretochoana eiselti'", descreveu o biólogo Juliano Tupan, analista Socioambiental da Santo Antônio Energia Juliano Tupan/Divulgação Mais
Segundo o biólogo Juliano Tupan, o que torna o animal tão especial é o fato de não possuir pulmões, mesmo sendo considerado grande, com mais de um metro de comprimento Juliano Tupan/Divulgação Mais
Outro motivo que faz a descoberta do anfíbio no rio Madeira ser tão comemorada é por se tratar do terceiro exemplar conhecido no mundo, sendo o primeiro com localidade certa. "O que está no museu de Viena só tem como localidade 'América do Sul' e o que está na Universidade de Brasília não tem dados de localidade", diz o biólogo Juliano Tupan. Mais recentemente, depois da descoberta no Madeira, a espécie foi encontrada por pescadores de camarões na praia de Marahú, na Ilha do Mosqueiro, em Belém, no Pará Juliano Tupan/Divulgação Mais
O resgate do anfíbio no rio Madeira foi tema de um artigo escrito pelos pesquisadores Marinus Steven Hoogmoed e Adriano Oliveira Maciel, do Museu Paraense Emilio Goeldi, e pelo biólogo Juliano Tupan. O texto foi publicado no boletim do museu, que é um dos periódicos científicos mais antigos do Brasil Juliano Tupan/Divulgação Mais
Hospedagem: UOL Host